Revista Brasileira de Avaliação
https://rbaval.org.br/article/doi/10.4322/rbaval202211010
Revista Brasileira de Avaliação
Artigo original

O Núcleo Ciência pela Infância: Avaliação de efetividade

Débora Gambetta Paim, Rogério Renato Silva, Madelene Barboza, Patrícia Iacabo

Downloads: 0
Views: 243

Resumo

O presente artigo retrata o processo avaliativo do Núcleo Ciência pela Infância. Realizada entre agosto de 2020 e maio de 2021, a avaliação lançou mão de métodos mistos com aproximações sucessivas da realidade, com vistas a responder quatro perguntas avaliativas. A avaliação foi capaz de reconhecer o NCPI como importante força auxiliar da constituição do campo do desenvolvimento da primeira infância no Brasil, responsável pela mobilização de uma comunidade política responsável por conquistas legais e infra legais significativas. O artigo demonstra também o modo como a avaliação contribui para o redesenho da nova fase estratégica do NCPI, num interessante caso de sinergia entre avaliação e planejamento

Palavras-chave

Avaliação. Impacto coletivo. Desenvolvimento da primeira infância

Referências

Bernardi, Iara, & Lima, Maria José Rocha. (2020). Primeira infância: A nova agenda governamental. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 5(9), 155-172. http://dx.doi.org/10.32749/ nucleodoconhecimento.com.br/educacao/primeira-infancia

Borysow, Igor da Costa. (2018). O Consultório na Rua e a atenção básica à população em situação de rua (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 27 abril, 2022, de http:// www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-12062018-132859/

Bourdieu, Pierre. (1989). O poder simbólico. Lisboa: Difel.

Bourdieu, Pierre. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Centro Gráfico.

Brasil. (2016a). Primeira Infância: Avanços do Marco Legal da Primeira Infância. Brasília: Centro de Estudos e Debates Estratégicos. Recuperado em 27 abril, 2022, de https://www2.camara.leg.br/a-camara/ estruturaadm/altosestudos/pdf/obra-avancos-do-marco-legal-da-primeira-infancia

Brasil. (2016b). Institui o Programa Criança Feliz (Decreto n. 8.869, de 5 de outubro de 2016). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2016c). Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências (Emenda constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2016d). Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012 (Lei n. 13.257, de 08 de março de 2016). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2019). Pacto Nacional pela Primeira Infância. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 131, Seção 3, p. 133. Recuperado em 27 abril, 2022, de https://repositorio.cgu.gov.br/handle/1/33402 Cano, Ignácio. (2006). Avaliação de programas: uma introdução. Rio de Janeiro: FGV

Comitê Interinstitucional Protetivo do Estado do Paraná. (2020). Nota técnica n. 01, Recuperado em 27 abril, 2022 de https://www.tjpr.jus.br/documents/18319/36348397/Nota+técnica+-+Comitê+Interinstitu cional+Protetivo/fec32721-4ade-09ac-cfcf-f5dba31755c0

Duarte, Cristina Maria Rabelais. (2007). Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: Revisão da literatura sobre a última década. Cadernos de Saude Publica, 23(7), 1511-1528.

Franzese, Cibele, & Abrucio, Fernando Luiz. (2009). A combinação entre federalismo e políticas públicas no Brasil pós-1988: Os resultados nas áreas de saúde, assistência social e educação. In Maria Cristina Gomes da Rocha (Org.), Reflexões para Ibero-América: a avaliação de programas sociais (pp. 25-42). Brasília: ENAP

Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal – FMCSV. (2020a). NCPI Evaluation: Terms of Reference. São Paulo: FMCSV. Recuperado em 28 abril, 2022 de https://drive.google.com/file/d/1gdKG62ITgdR92Y0sc5qhkcD_ b3DSyIUN/view?usp=sharing

Gomes, Fabíola Zioni, & Adorno, Rubens de Camargo Ferreira. (1990). Crescimento e desenvolvimento na prática dos serviços de saúde. Revisão histórica do conceito de criança. Revista de Saude Publica, 24(3), 204-211. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101990000300006.

Heckman, James, & Masterov, Dimitriy. (2007). The productivity argument for investing in young children. Review of Agricultural Economics, 29(3), 446-493. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-9353.2007.00359.x.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD. Aspectos dos cuidados das crianças de menos de 4 anos de idade. Recuperado em 28 abril, 2022, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100137.pdf.

Johnson, Mark Henry. (2005). Sensitive periods in functional brain development: Problems and prospects. Developmental Psychobiology, 46, 287-292.

Kania, John, & Kramer, Mark. (2011). Collective impact. Stanford Social Innovation Review, 9(1), 36-41. http://dx.doi.org/10.48558/5900-KN19

Kerr, Renata, & Garcia, Edelir Salomão. (2015). Um novo olhar: a criança como sujeito de direito no campo da legislação e dos documentos que regem a educação. Perspectivas em Diálogo: Revista de Educação e Sociedade, 2(3), 75-91.

Kingdon, John Wells. (1993). How do issues get on public policy agendas. Sociology and the Public Agenda, 8(1), 40-53.

Knudsen, Eric. (2004). Sensitive periods in the development of the brain and behavior. Journal of Cognitive Neuroscience, 16(8), 1412-1425. http://dx.doi.org/10.1162/0898929042304796

Kozinets, Robert. (2014). Netnografia: Realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso.

Lang, Aline Elisa Maretto. (2020). A agenda brasileira no campo da primeira infância: Avanços e retrocessos. Sociedade em Debate, 26(2), 98-114.

Mariano, Cynara Monteiro. (2017). Emenda constitucional 95/2016 e o teto dos gastos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais, 4(1), 259-281. http://dx.doi.org/10.5380/rinc.v4i1.50289

Mertens, Donna, & Hesse‐Biber, Sharlene. (2013). Mixed methods and credibility of evidence in evaluation. New Directions for Evaluation, 2013(138), 5-13. http://dx.doi.org/10.1002/ev.20053

Minayo, Maria Cecília de Souza. (2011). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In Maria Cecília de Souza Minayo (Org.), Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (18. ed., pp. 9-30). Petrópolis: Vozes.

Mintzberg, Henry, Ahlstrand, Bruce, & Lampel, Joseph. (1998). Safari de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mori, Cristina Kiomi, & Andrade, Ana Karolina. (2021). Estudo apreciativo da governança do Marco Legal da Primeira Infância no Brasil. Revista Brasileira de Avaliação, 10(1), e100921. http://dx.doi.org/10.4322/ rbaval202110009

Núcleo, Ciência pela Infância. (2020). Repercussões da Pandemia de COVID-19 no Desenvolvimento Infantil. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

Pacto Organizações Regenerativas. (2020). Inception Report. Documento não publicado.

Patton, Michael. (2008). Utilization focused evaluation (4rd ed.). Thousand Oaks: Sage.

Patton, Michael. (2011). Developmental evaluation. Applying complexity concepts to enhance innovation and use. New York: Sage.

Pautz, Hartwig. (2011). Revisiting the think-tank phenomenon. Public Policy and Administration, 26(4), 419-435.

Puentes Montoya, Natalia, Silvestre, Roberta de Miranda, & Souto, Vanessa Yumi Fujinaga. (2018). Programa Criança Feliz: um olhar para as ações intersetoriais de primeira infância (dissertação de mestrado). São Paulo: Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas.

Schifino, Reny Schifino. (2015). Direito à creche: um estudo das lutas das mulheres operárias no município de Santo André. In Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis.

Schneider, Alessandra, & Ramires, Vera Regina. (2007) Primeira Infância Melhor: uma inovação em política pública. Brasília: UNESCO; Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul.

Space, J. (2022). PZFUL – GAMBLE. YouTube. Recuperado em 28 abril, 2022, de shorturl.at/bjmoG

World Health Organization – WHO, United Nations Children’s Fund – UNICEF, & World Bank Group. (2018). The Nurturing Care Framework for Early Childhood Development: A framework for helping children survive and thrive to transform health and human potential. Geneva: WHO. Recuperado em 28 abril, 2022, de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272603/9789241514064-eng.pdf


Submetido em:
06/05/2022

Aceito em:
07/06/2022

62d84ad6a95395378844d2e3 rbaval Articles
Links & Downloads

Revista Brasileira de Avaliação

Share this page
Page Sections