Revista Brasileira de Avaliação
https://rbaval.org.br/article/doi/10.4322/rbaval202312027
Revista Brasileira de Avaliação
Relato de experiência

PROA INDEX: Avaliação fidedigna na formação profissional online de jovens

Alini Dal Magro, João Paulo Bittencour

Downloads: 1
Views: 232

Resumo

O relato apresenta uma proposta de avaliação baseada em competências denominada PROA Index, adotada em um programa de formação online ofertada pelo Instituto PROA. Em 2020, foi lançada a Plataforma PROA, a fim de preparar jovens em todo o território brasileiro para que ingressem no mercado de trabalho. Na Plataforma, o acompanhamento do desenvolvimento de competências técnicas e socioemocionais dos jovens é aspecto fundamental. O Instituto PROA precisava expandir seu impacto, mantendo a proximidade com o jovem e garantindo às empresas parceiras que as competências necessárias aos jovens seriam desenvolvidas. Foi desenvolvida uma arquitetura pedagógica que propiciasse avaliação baseada em competências, metodologias inovativas, conteúdos interativos e alinhados ao perfil dos estudantes. Neste cenário, foi proposto o PROA Index. A avaliação baseada em competências PROA Index propiciou estratégias e métricas para diagnosticar, desenvolver crenças de autoeficácia, avalizar a competência do aluno ao empregador e ofereceu bases para a escalabilidade.

Palavras-chave

Avaliação baseada em competências. Formação online. Competências técnicas e socioemocionais

Referências

Ausubel, David P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

Bandura, Albert. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. New York: W. H. Freeman.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84(2), 191-215. PMid:847061. http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.84.2.191

Blumberg, Phyllis. (2007). Problem-based learning: A prototypical example of learning-centered teaching. Journal of Student Centered Learning, 3(2), 111-125.

Boyatzis, Richard E. (2008). Competencies in the 21st century. Journal of Management Development, 27(1), 5-12. http://dx.doi.org/10.1108/02621710810840730

Brasil. Ministério da Educação – MEC. (2018). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC.

Brunstein, Janette, & Rodrigues, Andréa Leite. (2014). Gestores e sustentabilidade: A difícil tradução do significado para a ação competente. Revista ALCANCE Eletrônica, 21(1), 5-24. http://dx.doi.org/10.14210/ alcance.v21n1.p005-024

Duque, Thais Oliveira, & Valadão, José de Arimatéia Dias. (2017). Abordagens teóricas de tecnologia social no Brasil. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 1-19. http://dx.doi.org/10.12712/ rpca.v11i5.962

Dutra, Joel Souza. (2001). Gestão por competências: Um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente.

Fernandes, Bruno Rocha. (2013). Gestão estratégica de pessoas com foco em competência. Rio de Janeiro: Elsevier.

Filatro, Andrea, & Cavalcanti, Carolina Costa. (2018). Metodologias Inov-ativas na Educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva.

Haland, Erna, & Tjora, Aksel. (2006). A. Between asset and process: Developing competence by implementing a learning management system. Human Relations, 59(7), 993-1016. http://dx.doi. org/10.1177/0018726706067599

Kim, K. T. (2019). The structural relationship among digital literacy, learning strategies, and core competencies among south korean college students. Educational Sciences: Theory & Practice, 19(2), 3-21.

Maggi, B. (2003). De l’agir organisationnel: Un point de vue sur le travail, le bien-être, l’apprentissage. Toulouse: Octarès Editions.

McLagan, Pat. (1996). Competence models. Training & Development, 50, 50-54.

Mostrom, Alison M., & Blumberg, Phyllis. (2012). Does learning-centered teaching promote grade improvement? Innovative Higher Education, 37(5), 397-405. http://dx.doi.org/10.1007/s10755-012-9216-1

Organisation for Economic Cooperation and Development - OECD. (2018). Social and emotional skills: Well-being connectedness and success. Recuperado em 18 de setembro de 2022, de https://www.oecd. org/education/ceri/social-emotional-skills-study/

Sacristán, José Gimeno, Pérez Gómez, Ángel I., Martínez Rodríguez, Juan Bautista, Santomé, Jurjo Torres, Rasco, Félix Angulo, & Álvarez Méndez, Juan Manuel. (2011). Educar por competências: O que há de novo? Porto Alegre: Artmed.

Sandberg, Jörgen. (2000). Understanding human competence at work: An interpretative approach. Academy of Management Journal, 43(1), 9-25. http://dx.doi.org/10.2307/1556383 Sonego, Anna Helena Silveira, Ribeiro, Ana Carolina Ribeiro, Machado, Leticia Rocha, & Behar, Patricia

Alejandra. (2018). Formação de Professores: Uma arquitetura pedagógica com foco na M-Learning. RENOTE, 16(2), 301-310.

Souza, Ana Clara Aparecida Alves de, & Pozzebon, Marlei. (2020). Práticas e mecanismos de uma tecnologia social: proposição de um modelo a partir de uma experiência no semiárido. Organizações & Sociedade, 27(93), 231-254. https://doi.org/10.1590/1984-9270934.

Thomas, Hernán. (2009). Tecnologías para la inclusión social y políticas públicas en América Latina. In: A. Otterloo (Ed.), Tecnologias sociais: Caminhos para a sustentabilidade (pp. 25-81). Brasília, DF: Rede de Tecnologia Social.

Wesselink, Renate, Biemans, Harm J. A., Gulikers, Judith T. M., & Mulder, Martin. (2017). Models and principles for designing competence-based curricula, teaching, learning and assessment. In M. Mulder (Ed.), Competence-based vocational and professional education. Bridging the worlds of work and education (pp. 533-554). Cham, Switzerland: Springer.

Wiek, Arnim, Withycombe, Lauren, & Redman, Charles L. (2011). Key competencies in sustainability: A reference framework for academic program development. Sustainability Science, 6(2), 203-218. http://dx.doi.org/10.1007/s11625-011-0132-6


Submetido em:
11/04/2023

Aceito em:
29/08/2023

652fda2fa9539556951108b3 rbaval Articles
Links & Downloads

Revista Brasileira de Avaliação

Share this page
Page Sections