Revista Brasileira de Avaliação
https://rbaval.org.br/article/doi/10.4322/rbaval202110005
Revista Brasileira de Avaliação
Artigo original

Por um antimanual de avaliação de políticas públicas

Rosana de Freitas Boullosa, Breynner Ricardo de Oliveira, Edgilson Tavares de Araújo, Alcides Fernando Guss

Downloads: 4
Views: 154

Resumo

Este artigo problematiza a avaliação como campo de estudos e práticas, no Brasil, a partir da noção de campo científico de Bourdieu (1983, 2004). A avaliação se apresenta com densidade crescente, embora fragmentada, sujeita às suas próprias demandas, com repertórios de ação e gramáticas de justificação que ainda precisam ser ampliados. Apesar dos esforços em torno da profissionalização e do fortalecimento de redes nacionais e internacionais, predominam lógicas avaliativas centradas no plano metodológico, baseadas, em sua maioria, em prescrições contidas em manuais. Isso gera limitada reflexividade e consequências para seus próprios processos de aprendizagem, inclusive no contexto da chamada pósverdade. Propomos uma interpretação crítica da atual configuração do campo, centrada, também, no plano epistemológico e não apenas no metodológico. Argumentamos a necessidade de um exercício axiológico de posicionalidade normativo-valorativa, de maneira intersubjetiva e relacional, entre avaliadores(as) e avaliado(as), em uma lógica que chamamos de antimanual de avaliação.

Palavras-chave

Campo da avaliação. Valores. Reflexividade. Posicionalidade. Políticas públicas.

Referências

Alves, Camilla, & Boullosa, Rosana. (2020) Avaliação axiológica do Programa de Transporte Urbano do Distrito Federal: Explorando o Público da acessibilidade. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, 5(2), 311-334.

Akotirene, Carla. (2018). O que é interseccionalidade? (Feminismos Plurais). Belo Horizonte: Letramento.

Alcoff, Linda. (2016) Uma epistemologia para a próxima revolução. Revista Sociedade e Estado, 31(1), 143-129.

Araújo, Edgilson Tavares. (2019) Respostas críticas às demandas e usos governamentais das avaliações de impacto de políticas sociais. Revista Aval, 1(15), 66-79.

Araújo, Edgilson Tavares, & Corá, Maria Amélia Jundurian. (2019, October 28-31). Avaliação de políticas de Economia Solidária e Agricultura Familiar: desafios para adoção de novas abordagens construtivistas e instrumentos no desenho da pesquisa avaliativa. VIII CONINTER - Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades. Maceió, AL: CONINTER.

Bezzi, Claudio. (2007). Il Disegno della Ricerca Valutativa. Milão: Franco Angeli. Revista Brasileira de Avaliação, 10, e100521, 2021 15/16 Por um antimanual de avaliação de políticas públicas Boullosa, Rosana de Freitas (2006). Che tipo di innovazione stiamo vivendo? Le politiche urbane di regolarizzazione fondiaria in Brasile. Tese de doutorado. Università IUAV di Venezia, Itália.

Boullosa, Rosana de Freitas. (2020). Para onde tem nos levado a pandemia? Entre tantos desamparos públicos, precisamos também falar sobre avaliação em políticas públicas. Revista NAU Social, 11(21), 427-442.

Boullosa, Rosana de Freitas. (2019). Mirando ao revés as políticas públicas: o desenvolvimento de uma abordagem crítica e reflexiva para o estudo das políticas públicas. Publicações da Escola da AGU, 11(4 esp), 89-105.

Boullosa, Rosana de Freitas. (2017). Gestão social e avaliação. In: João Martins de Oliveira Neto & Jeová Torres Silva Junior (Org.), Gestão Social (1st ed., pp. 267-288). Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha/ UANE/BID/STDS.

Boullosa, Rosana de Freitas & Araújo, Edgilson Tavares (2009). Avaliação e Monitoramento de Projetos Sociais. 1. ed. Curitiba: IESDE.

Boullosa, Rosana de Freitas, & Peres, Janaina Lopes Pereira. (2020). Análise e elaboração e gestão de programas e projetos de desenvolvimento socioterritorial. Salvador: UFBA, Escola de Administração.

Barros, José D’Assunção. (2010). Contribuição para o estudo dos “campos disciplinares. Revista ALPHA, 11, 205-216.

Bourdieu, Pierre. (2012). Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-92). São Paulo: Companhia das Letras.

Bourdieu, Pierre. (2004). Os usos sociais da Ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP.

Bourdieu, Pierre. (1983. A dissolução do religioso. In: Pierre Bourdieu. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense.

Bourdieu, Pierre. (1990). O campo científico. In: Pierre Bourdieu. Sociologia. São Paulo: Ática. (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

Downs, Anthony. (1966). Inside bureaucracy. Boston: Little, Brown.

Collins, Patricia Hill. (2001). Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge.

Crenshaw, Kimberle. (1991). Mapping the Margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, 43(6), 1241-1299. http://dx.doi.org/10.2307/1229039

Dahl, Robert. (2001). Sobre a Democracia. Brasília: Ed. UnB.

Dewey, John. (1927). The public and its problems. New York: Henry Holt.

Fischer, Frank. (2016). Para além do empirismo: Policy inquiry na perspectiva pós-positivista. Revista NAU Social, 7(12), 163-180.

Fischer, Frank. (1995). Evaluating public policy. Chicago: Nelson-Hall.

Freire, Paulo. (2011). Pedagogia do oprimido (50. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Guba, Egon G. & Lincoln, Yvonna S. (1989). Fourth Generation Evaluation. Newbury Park, CA: Sage Publications.

Gussi, Alcides Fernando. (2008). Apontamentos teórico-metodológicos para avaliação de programas de microcrédito. Revista de Avaliação de Políticas Públicas.1(1), 29-37.

Gussi, Alcides Fernando. (2014). Avaliação de políticas públicas sob uma perspectiva antropológica. In Heloísa de A. Duarte Valente, Rosália Maria Netto Prados, & Cristina Schmidt (Org.), A música como negócio. São Paulo: Letra e Voz.

Gussi, Alcides Fernando, & Oliveira, Breynner Ricardo. (2016). Políticas Públicas e outra perspectiva de avaliação: Uma abordagem antropológica. Revista Desenvolvimento em Debate, 4(1), 83-101.

Gussi, Alcides Fernando, & Oliveira, Breynner Ricardo. (2016a). The cultural dimension of public policy evaluations: an anthropological approach. Evaluation Connections: European Evaluation Society Journal, Set, 12-13.

Hooks, Bell. (1994). Teaching to transgress: Education as the practice of freedom. New York: Routledge.

Hooks, Bell. (1995) Intelectuais negras. Estudos feministas, 3(2), 464-478.

Latour, Bruno. 1987. Science in Action. Cambridge: Harvard University Press.

Lejano, Raul P. (2011) Parâmetros para análise de políticas públicas: A fusão de texto e contexto. Campinas: Editora Arte Escrita.

Lipsky, Michael. (1980). Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public services. New York: Russell Sage Foundation.

Majone, Giandomenico. (1989). Evidence, argument and persuasion in the policy process. New Haven, CT: Yale University Press.

Oliveira, Breynner Ricardo de. (2019). A implementação de políticas educacionais no nível micro: Uma análise a partir dos profissionais da escola no contexto da prática. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Politica Educativa, 4, 1-17. http://dx.doi.org/10.5212/retepe.v.4.010

Oliveira, Breynner Ricardo, & Peixoto, Maria do Carmo de Lacerda. (2019). Trazendo à tona aspectos invisíveis no processo de implementação de políticas públicas: uma análise a partir do Programa Oportunidades. In: Pires, Roberto Rocha C. Implementando desigualdades: reprodução de desigualdades na implementação de políticas públicas. Rio de Janeiro: Ipea.

Oliveira, Breynner, & Daroit, Doriana. (2020). Public Policy networks and the implementation of the Bolsa-Família program: An analysis based on the monitoring of school attendance. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, 28(120), 1-27.

Quijano, Aníbal. (2007) Colonialidad del poder y clasificación social. In Santiago Castro-Gómez & Ramón Grosfoguel. (Orgs.), El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global (pp. 93-126). Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores.

Ricoeur, Paul. (1986). Du texte à l’action. Essais d’herméneutique II, Le Seuil.

Ribeiro, Djamila. (2017) O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando. (Feminismos Plurais).

Stone, Deborah. (1988). Policy paradox and political reason. Glenview: Scott Foresman.

Weiss, Carol. (1972). Evaluation research: Methods for assessing program effectiveness. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Weiss, Carol. (1994). Evaluation: methods for studying programs and policies. Prentice Hall, New Jersey: Pearson.


Submetido em:
16/11/2020

Aceito em:
15/12/2020

6034f668a9539544b14e93e2 rbaval Articles
Links & Downloads

Revista Brasileira de Avaliação

Share this page
Page Sections